ARQUITETURA

DETALHES QUE FAZEM A DIFERENÇA

Não é preciso ser arquiteto para participar da arquitetura. A estética é um diferencial que satisfaz a todos.

Uma tarefa que faço questão de não somente acompanhar, mas na medida do possível executar, é a fixação de caixinhas e conduites, em especial as de maior número de conexões e circuitos a serem instalados.

Alguns detalhes tem que ser observados, mas sabemos que comumente ocorrem problemas na hora de instalar os circuitos.

 

É muito importante ter as referencias bem estabelecidas para o alinhamento e altura das caixinhas, considerar o padrão para interruptores e tomadas médias (110cm) e das tomadas altas que podem variar conforme a aplicação (purificadores de ar por exemplo). Nas tomadas baixas é que ocorrem os maiores problemas. É quando o cliente resolve que não vai mais rodapé de madeira e sim de pedra, 5 cm mais alto, ou tomadas embutidas no rodapé como é este caso.

Não precisamos ficar acanhados, se voce não importuna o arquiteto pra estabelecer e reafirmar o nível de referencia, (aquela marca feita com nível de mangueira geralmente a 1 metro), voce corre o risco de ser mal falado e desmentido na frente do cliente. Não se esqueça que quem erra é o peão, chefe se engana. Ao menos teremos argumento para saber que profissional somos nós.

O arquiteto além de profissional tem que ser marketeiro e político, e geralmente a politica com o cliênte é que atrapalha. Só que garante o pagamento.

Um dos acessos que estou executando possui 8 bocas de conduite 3/4″ numa caixinha 4X4, não da pra correr o risco de entupir. O pedreiro por mais caprichoso que seja tem tarefas muito dinâmicas e não tem muito tempo para detalhes e ajustes que o eletricista sabe que são fundamentais, principalmente em relação ás curvas.

 

Mais detalhes vem depois.
Essa obra é grande, e como em todo apartamento, cheia de desafios. Tem cada volta!

Até mais.

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

CHUVEIRO

TROCA DO CIRCUITO – FIAÇÃO E DISJUNTOR

Nesse atendimento ao cliente as condições de conservação e acesso ao forro da casa facilitaram a execução da troca da fiação que estava derretendo. Se todo trampo fosse assim era mole.

Não da pra notar muito bem na foto, mas o fio que sai da caixinha é de 1,5mm² e estava derretendo a tampinha da caixa além de feder queimado.

No entanto o fio que chega ao disjuntor é preto e de 2,5mm².

Depois de abrir o forro deu pra ver o abençoado do fio 1,5mm² e até onde ele vai.

Foram fixos quatro roldanas nas travessa do forro e esticados dois fios 4,0mm² entre elas.

Na outra extremidade esta conectado o fio 2,5mm² que desce ao quadro de disjuntores.

Após abrir o telhado e retirar a fiação antiga só restou substituir a fiação por um circuito novo além da substituição do borne de porcelana.

O tempo médio para troca da fiação de um chuveiro é de 2:00 horas, nesse caso foram gastos 1:20 horas.

Apesar da casa conter forro de estuque, que sempre é um dificultador na execução de reformas, a caracteristica da infra estrutura bem dimensionada apesar de ser antiga, foi um facilitador e a distancia curta entre o quadro e o chuveiro foi outro fator importante.

Comumente é cobrado entre R$ 80,00 e R$100,00.
Nesse caso custou o equivalente a R$70,00

Esse é um bom exemplo de como é possível programar um atendimento entre outros no mesmo dia e dessa forma baratear o custo tanto de execução como consequentemente da mão de obra a ser cobrada.

Nesse mesmo dia havia feito um atendimento á uma tecelagem que estava com um problema de aquecimento no quadro de distribuição dos disjuntores das resistências das mesas aquecidas. Um trabalho mais complexo e demorado que viabilizou as custas de almoço e transporte.

Essa mensagem é uma edição da mensagem postada em http://eletricista-servicos-comentados.blogspot.com.br/, de minha autoria.

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

SOM E TV – CONFORTO E SATISFAÇÃO

Quando se compra uma casa nova é fato que algumas coisas serão modificadas. É uma forma de personalizar aquilo que é nosso.

Não é diferente quando o cliente compra um apartamento. A pintura, o banheiro, o gesso e a iluminação são alguns dos pontos mais alterados nos projetos de “revitalização” dos arquitetos e designers. Não há como deixar de fora o glorioso ponto da TV de plasma.

A maior dificuldade deste ponto muitas vezes, é a necessidade da passagem de cabos prontos como o HDMI e o VGA. Nem sempre é possível implantar uma tubulação de 2”. Nesse caso o tubo de 1” já ajuda. Só não podemos esquecer de separar a elétrica, até um de ½” serve.

Nessas imagens temos um ponto instalado de forma a posicionar a TV de Plasma na configuração fornecida pelo cliente.
O ponto deve ser colocado deslocado do centro da TV sem se afastar muito a fim de permitir o alinhamento com os conectores da TV.

É importante saber o modelo e fabricante da TV para conhecer o lado dos conectores

Não há cota definida no projeto para esse ponto, apenas os 130cm de altura do piso acabado, nesse caso calculado em 2 cm.

Para criar um ambiente dedicado ao lazer e entretenimento máximo oferecido TV, é claro, o som é fundamental.
O cliente teve a feliz atitude de investir numa aparelhagem de som profissional com caixas de som embutidas no gesso, e mais, o receiver adquirido é um modelo de tem a função ZONA 2 independente.

A função ZONA 2 é a opção que o usuário tem de transformar o seu home theater 7.1 em um 5.1 com um canal para som ambiente(canal estéreo). Na maioria dos equipamentos você controla o volume da ZONA 2 independente da ZONA 1, porem o som dos dois canais é o mesmo.

Nesse caso cada canal pode reproduzir um som independente, por exemplo: ouvir um DVD ou Blue-ray na sala (ZONA 1) e ouvir rádio no restante da casa (ZONA 2).

Pra ficar melhor foi instalado um amplificador de potencia na saida do zona 2 permitindo assim potencia para sonorizar a casa toda com som estéreo e controladores de volume na parde dos cômodos atendidos.

A suite parece uma discoteca.

Impressionante mesmo é na hora da “balada” o som ambiente num volume agradável e na sala as batidas quase quebrando o gesso.

Para a implementação dos controladores de volume foi necessário criar caixinhas de profundidade dupla. Um casador de impedância foi empregado na saída do amplificador a fim de equalizar a resistência dos canais.

É isso ai, além de ser um trabalho com uma boa dose de dificuldade técnica, foi um prazer testar a instalação e a potencia do sistema instalado.

Foram investidos cerca de R$7.500 em materiais e equipamentos além de R$2.800 de mão de obra (incluindo projeto e assessoria para orçamento e compra) .

Até mais.

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

TOMADA NOVO PADRÃO BRASILEIRO

Novo padrão brasileiro – sem mistérios

Quando fazemos as mesmas tarefas repetidas vezes, adquirimos pratica e desenvoltura na execução dos trabalhos. Para quem lida diariamente com a instalação de tomadas, em especial as do novo padrão brasileiro, o hábito da instalação já não mostra uma dúvida comum de muitos profissionais e iniciantes que se confundem com a polaridade do neutro.

Mais comum do que se imagina, muitos já me perguntaram a respeito.

Utilizar o padrão antigo (NEMA 5P) para comparação não é uma boa, pois por analogia, diríamos que o neutro também é o pino da esquerda.

Opa! Esquerda de quem?

Pois é, do terra é claro. Mas essa afirmação só é válida quando vemos a tomada da forma que ela é apresentada pela norma, com o terra para cima.
É o que mostra a primeira figura.
Atenção pois é comum algumas pessoas montarem extensões e adaptadores considerando os dois terras para baixo, dessa forma haveria inversão entre fase e neutro, um crime para equipamentos eletrônicos.

Melhor então é tentar decorarmos a posição correta da tomada. Ou quem achar mais prático, considerar a inversão do neutro se alinharmos o terra. É o exemplo da próxima figura.

Não muda nada, só a posição da primeira tomada.
A maioria dos fabricantes não marca o “N” do neutro por considerar que a tomada é utilizada tanto em 127V como em 220V.

Lembrando que existem dois tipos de tomadas do novo padrão brasileiro, a de 10A (pino de 4,0mm), para aparelhos que consomem menos como: TVs, DVDs, rádios, etc.; e as de 20A (pinos de 4,8mm), para aparelhos que consomem mais tipo: microondas, secadoras, ferros de passar, condicionador de ar e outros.

O plug de 10 A serve nas duas tomadas, como indicado nessa figura extraída da internet.

Escolha cada uma de acordo com a necessidade dos seus aparelhos, lembrando que o circuito elétrico deve ter fiação e proteção (disjuntores) compatíveis com a carga presumida e as tomadas instaladas.
A segurança da instalação começa com o profissional responsável pela execução da obra. A soma de vários detalhes pode fazer uma grande diferença.

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário